Contacto
 
Buscar: Artículos
@habitat_intl
@hicpresident
 

Brasil. MANIFESTO DE CRIAÇÃO DO COLETIVO DE LUTA PELA ÁGUA

Brasil, Marzo 2015


MANIFESTO DE CRIAÇÃO DO COLETIVO DE LUTA PELA ÁGUA

 

A Água é um Direito Humano, não uma mercadoria!

São Paulo vive uma crise de abastecimento de água sem precedentes. É um momento difícil para todos. Há anos o Governo do Estado vem sendo alertado do risco de um colapso devido de infraestrutura insuficiente para atender a população das Regiões Metropolitanas de São Paulo (RMSP) e de Campinas.Não houve investimento necessário para ampliação dos sistemas de abastecimento que acompanhasse o crescimento das cidades. Descaso com a preservação ambiental, falta de tratamento de esgotos, ocupação das várzeas e intensa impermeabilização do solo somados à insuficiência dos investimentos e à ausência de planejamento, contribuíram para o agravamento da crise.O modelo de gestão privada agravou-se a partir do momento em que a Sabesp passou a negociar suas ações nas bolsas de valores de São Paulo e Nova York. A busca do lucro a qualquer preço em detrimento da priorização da prestação de um serviço público de qualidade fez com a empresa ignorasse as previsões climáticas que já apontavam para uma redução das chuvas, o crescimento da demanda e negligenciasse todas as advertências, sobretudo a obrigatoriedade estabelecida na outorga do Cantareira de redução da dependência desse Sistema e de redução de perdas por vazamentos.Como se não bastasse, no momento decisivo em que era preciso medidas eficazes de combate à crise e informação clara de medidas individuais e coletivas, o Governo do Estado esvaziou os espaços de participação e deliberação, como os comitês de bacia hidrográficas , o Conselho Estadual de Recursos Hídricos o Conselho de Desenvolvimento da RMSP. Além disso, aparelhou a Agência Estadual de Regulação - Arsesp.Para tirar o foco da crise, o Governo do Estado, ao mesmo tempo em que pedia para economizar, água dizia que não faltaria água, passando “sinal trocado” para a população.Também demorou a iniciar uma campanha de redução de consumo porque os interesses comerciais de maximizar receita com a venda de água se sobrepõem à necessidade de conscientização da população. E quando o fez, responsabilizou o povo pelo problema, alegando consumo exagerado, ocupação desordenada de áreas de mananciais e furto de água. Transformou, assim, a vitima em culpada.Só o Governo do Estado não admite ate hoje que os problemas estruturais da crise hídrica são resultados da inoperância da SABESP em investir na melhoria do sistema de distribuição de água que hoje contabiliza cerca de 37% de perda. Também mantém a postura ao continuar superexplorando os mananciais e de estimular o alto consumo de setores industriais, competindo comercialmente com outras soluções para abastecimento de água para os processos de produção.A situação realmente é alarmante e imprevisível para a população, e a economia do Estado. Há ameaça de desemprego em grande escala em vários setores, escolas terão seu funcionamento afetado, prejudicando a educação de milhares de crianças e adolescentes. A saúde também poderá ser atingida. No horizonte, conflitos pela água. Uma face perversa da condução dessa crise é privilegiar os usuários mais endinheirados que certamente ampliarão a sua capacidade de reservar água. O contrário acontecerá com a população mais pobre. Na periferia mais distante e nos lugares mais altos, seus moradores já chegam a ficar sem água por muitos dias seguidos.A política do Governo do Estado está inviabilizando um direito humano fundamental: o acesso à água de forma segura em quantidade suficiente e qualidade comprovada.

O COLETIVO DE LUTA PELA ÁGUA

Com o objetivo de ampliar e unificar ações para pressionar o Governo do Estado a adotar medidas que ao menos, minimizem os impactos da crise, entidades ligadas aos movimentos popular, sindical, gestores municipais e organizações não governamentais, criaram o Coletivo de Luta Pela Água. Juntos defendem o direito a água e ao saneamento como um direito humano fundamental nos moldes da resolução aprovada pela Organização das Nações Unidas (ONU) no ano de 2010. Outra meta do coletivo é constituir os comitês de luta locais como forma de envolver as populações afetadas.As entidades entendem ser necessário que o Governo do Estado aja com total transparência e mobilize seus órgãos como Cetesb, Secretaria do Meio Ambiente, Defesa Civil, Secretaria da Saúde e Educação para atuar de forma conjunta e garanta a participação da sociedade e prefeituras em todo o processo de debate para enfrentamento da crise. É preciso que o governo apresente imediatamente um Plano de Emergência que explicite de forma clara os próximos passos que serão tomados a partir de um amplo diálogo com a sociedade e representantes dos municípios. Acreditamos que para a superação dessa crise seja necessário que o Governo decrete imediatamente Estado de Calamidade Pública nas Bacias do Alto Tietê e do Piracicaba, Capivari e Jundiaí para enfrentamento da crise e mitigação dos prejuízos aos cidadãos e às atividades econômicas. O Plano deverá contemplar as seguintes medidas:a) Priorizar o uso da água para consumo humano e de animais; b) Garantir volume de água suficiente e de qualidade segura para o consumo imprescindível à sobrevivência; c) Manter sem interrupção o abastecimento dos imóveis em que residam populações vulneráveis, internadas em serviços de administração pública ou privada, como hospitais, unidades de saúde, clínicas, albergues, asilos, creches, escolas, presídios, delegacias, aeroportos, rodoviárias; d) Informar locais e horários em que haverá desabastecimento de água ou redução de pressão e prazo de restabelecimento; e) Administrar com equidade a falta de água, quer seja por racionamento, redução de pressão ou gestão de demanda. Para não penalizar a população que mora nos extremos das periferias e nos pontos mais altos nem privilegiar os endinheirados que dispõe de mais volume domiciliar de reservação; f) Veicular campanha com esclarecimentos sobre a crise e orientações para proteção da saúde humana contra doenças de veiculação hídrica, como a dengue, diarreia entre outras; g) Iniciar imediatamente a distribuição de caixas de água para todos os imóveis de população de baixa renda que não as disponham; h) Criar incentivos fiscais para equipamentos hidráulicos que economizam água e, ao mesmo tempo, sua aquisição através de campanhas publicitárias; i) Estimular a implantação de programas de apoio para utilização de água de reuso inclusive domestico, garantindo apoio técnico e financeiro; j) Criar sala de situação para todos os sistemas produtores que atendem a RMSP para acompanhamento e divulgação diária das condições de armazenamento dos mananciais, pluviometria, vazões afluentes e defluentes e consumos de água por categoria de usuários; k) Implantar sistema de divulgação dos dados, informações e decisões de forma a trazer transparência ao setor e permitir que os cidadãos, as prefeituras e os diferentes segmentos econômicos possam se planejar; l) Estruturar enfrentamento sanitário do desabastecimento de água, no que se refere à ampliação do monitoramento da qualidade da água pública distribuída, de bicas, nascentes e poços para lidar com ocorrências de doenças de veiculação hídrica; m) Preparar as medidas jurídicas que possibilitem requisitar poços artesianos e todas as fontes disponíveis de água para direcioná-las aos usos prioritários da mesma forma que a frota de caminhões pipa existente, em especial de empresas que comercializam água a granel; n) Divulgar para a sociedade todos os contratos de “demanda firme” para grandes consumidores, a quantidade de água fornecida, valor da tarifa, e rever esses contratos para avaliar a possibilidade de substituição por água não potável e qual a prioridade do uso atual; o) Acelerar as obras capazes de ampliar em curto prazo a disponibilidade hídrica nas regiões metropolitanas de São Paulo e de Campinas; p) Definir com transparência a quantidade de água potável que será disponibilizada para grandes consumidores (indústria, comercio, agricultura e construção civil) enquanto perdurar a crise; q) Administrar o calendário escolar a fim de preservar o cumprimento do ano letivo, garantindo a participação das representações dos alunos, pais e professores; r) Intensificar o investimento em educação ambiental através dos meios de comunicação e diretamente em todos os bairros das cidades afetadas. s) Os equipamentos públicos precisam ter prioridade para o uso da água, como escolas e creches em tempo integral para todas as crianças, assim como se faz necessário a construção de novos equipamentos como lavanderias coletivas, restaurantes coletivos nos bairros para o uso público. Isto porque a crise da água afeta as mulheres de forma diferenciada. Em geral, são as mulheres que administram a utilização de água nas casas e, com a escassez do recurso, o trabalho (de lavar, cozinhar, limpar) das mulheres tem aumentado, porque precisam fazer o reuso da água ou buscar água fora da casa, lavar roupa na mão, etc. Além disso, quando falta água na escola ou na creche as crianças são dispensadas e são as mulheres que tem que abrir mão do emprego para ficar com elas.Por fim, esse coletivo conclama todos os movimentos e a sociedade a se unirem nessa luta na perspectiva de fortalecer o acesso a água de forma plena, com qualidade adequada e com controle social.COLETIVO DE LUTA PELA ÁGUAJaneiro de 2015 Assinam:

  1. 2. APEOESP - Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo 3. APROPUCC - Associação dos Professores da PUC-Campinas 4. APSMNSP - Articulação Popular e Sindical de Mulheres Negras de São Paulo 5. Articulação Antinuclear Brasileira (Brasil)6. ASSEMAE - Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 7. Associação Civil Sociedade Alternativa 8. Associação da Casa da Cidade 9. Associação Grêmio Vila Sonia 10. Associação Movimento Paulo Jackson - Ética, Justiça, Cidadania (Bahia) 11. ASTAE - Associação de Saúde, Trabalho , Meio Ambiente e Trabalho 12. Centro Acadêmico XI de Agosto 13. Centro Cultural Social Y Del Medio Ambiente Ceibo - Chile 14. Centro de Estudos da Mìdia Alternativa Barão de Itararé 15. Centro Gaspar Garcia de Direitos Humanos 16. CMP – Central de Movimentos Populares 17. CNDAV - Comision Nacional en Defensa del Agua y la Vida - Uruguay 18. Coletivo Canto Geral 19. Coletivo Curupira 20. Comissão Paroquial de Meio Ambiente (Caetité-Ba) 21. Comitê Nacional em Defesa dos Territórios Frente à Mineração (Brasil) 22. COMULHER - Comunicação Mulher 23. CONAM - Confederação Nacional das Associações de Moradores24. CONEN - Coordenação Nacional de Entidades Negras/ 25. Consulta Popular 26. CONTAGUAS: Confederacion de Trabajadores del Agua, Saneamiento y Ambiente de las Americas. 27. CUT – Central Única dos Trabalhadores – SP 28. De Olho nos Mananciais 29. Espaço Formação Assessoria e Documentação 30. FACESP - Federação das Associações Comunitárias do Estado de São Paulo 31. FASE – Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional 32. FENTAP: Federacion Nacional de Trabajadores del agua Potable y Alcantarillado del Peru. 33. FFOSE - Federacion de Funcionarios de Obras Sanitarias del Estado - Uruguay 34. FISENGE - Federação Interestadual de Sindicatos de Engenheiros 35. FLM – Frente de Luta pela Moradia 36. FNSA – Frente Nacional pelo Saneamento Ambiental 37. FNU – Federação Nacional dos Urbanitários 38. Fórum Mudanças Climáticas e Justiça Social 39. Fórum Paulista de Participação Popular 40. Frente por Uma Nova Política Energética (Brasil) 41. FTIUESP – Fed. dos Trabalhadores nas Indústrias Urbanas do Estado de São Paulo 42. Instituto André Voisin, Porto Alegre/RS 43. Instituto Biguá - Eco Estudantil 44. Instituto Macuco 45. ISP – Internacional de Serviços Públicos 46. Levante Popular da Juventude 47. Liga Brasileira de Lesbicas - LBL-SP 48. MAB – Movimento dos Atingidos por Barragens 49. Marcha Mundial das Mulheres 50. MNDH/SP - Movimento Nacional de Direitos Humanos - São Paulo 51. MOGAVE - Associação Movimento Garça Vermelha 52. Movimento Resgate Cambui 53. MST- movimento dos trabalhadores rurais sem terra 54. Observatório da Mulher 55. Rede Brasileira de Justiça Ambiental (Brasil) 56. Rede Butantã de Entidades e Forças Sociais 57. Rede Mulher e Mídia 58. Rede Nossa São Paulo 59. Rede Paulista de Agendas 21 60. Rede WATERLAT-GOBACIT61. RedVida 62. REF- Rede economia e feminismo 63. SINDAE - Sindicato dos Trabalhadores (as) em Água e Esgoto de Campinas 64. SINDAE - Sindicato dos Trabalhadores em Água, Esgoto e Meio Ambiente no Estado da Bahia 65. SINDAEL - Sindicato dos Trabalhadores (as) em Água e Esgoto de Londrina e Região 66. SINDAEMA - Sindicato dos Trabalhadores em Água, Esgoto e Meio Ambiente do Estado do Espírito Santo 67. SINDAEN - Sindicato dos Trabalhadores (as) nas empresas de Água, Esgoto e Saneamento de Maringá e Região Noroeste do Paraná 68. SINDIÁGUA/RS - Sindicato dos Trabalhadores (as) em Água e Esgoto do Estado do RGS 69. SINDIÁGUA-PB – Sindicato dos Trabalhadores (as) em Água e Esgoto do Estado da Paraíba 70. Sindicato dos Advogados de São Paulo 71. Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região 72. SINDSERV - Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Santos 73. SINERGIA CUT - Sindicato dos Trabalhadores (as) Energéticos do Estado de São Paulo 74. SINTAEMA - Sindicato dos Trabalhadores (as) em Água, Esgoto e Meio Ambiente do Estado de São Paulo 75. SINTRAPP – Sindicato dos Trabalhadores (as) no Serviço Público Municipal de Presidente Prudente e Região 76. SOF- Sempreviva organização feminista 77. STIU- PA Sindicato dos Trabalhadores (as) Urbanitários do Pará78. STIU-AC Sindicato dos Trabalhadores (as) Urbanitários do Acre 79. STIU-AL Sindicato dos Trabalhadores (as) Urbanitários de Alagoas 80. STIU-AM - Sindicato dos Trabalhadores (as) Urbanitários do Amazonas 81. STIU-AP Sindicato dos Trabalhadores (as) Urbanitários do Amapá 82. STIUEG - GO Sindicato dos Trabalhadores (as) Urbanitários do Estado de Goiás 83. STIU-PB - Sindicato dos Trabalhadores (as) Urbanitários da Paraíba84. STIU-RO Sindicato dos Trabalhadores (as) Urbanitários de Rondônia 85. STIU-RR Sindicato dos Trabalhadores (as) Urbanitários de Roraima 86. Tecle Mulher - Assessoria e Pesquisa no Âmbito dos Direitos da Mulher 87. UMM - União dos Movimentos de Moradia 88. UNEGRO - União de Negros pela Igualdade 89. UNMP - União Nacional por Moradia Popular








Loading the player...
1.
2.
3.
4.
5.
6.
7.
8.
9.








<< < Febrero/2020 > >>
Dom Lun Mar Mie Jue Vie Sab
 
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29


Brasil . Livro Produção Social da Moradia
Nos últimos dez anos, o Brasil experimentou uma significativa expansão de formas assoc...
Brasil. Lutas pela Reforma Urbana são tema de oficina autogestionada no FST
Fórum de Reforma Urbana realiza oficina no Fórum Social Temático...
Brasil. Fórum Nacional de Reforma Urbana se posiciona contra a reintegração de posse da Vila Soma
NOTA PÚBLICA...
Brasil. Vitória das famílias! Reintegração suspensa, mobilização segue
As famílias da Ocupação Soma comemoram o resultado de sua mobilizaç&atil...
DECLARAÇÃO SOBRE AS MENSAGENS FUNDAMENTAIS PARA A HABITAT III NO DIA MUNDIAL HABITAT 2015
From the Global Platform for the Right to the City...
Brasil. Os Macacos (ou Lêmures) estão por toda a cidade
Artista questionador e provocador. Subtu é um dos grafiteiros mais ativos de São Paulo...
DECLARAÇÃO FINAL – XVIII CÚPULA SOCIAL DO MERCOSUL BRASÍLIA 14, 15 e 16 DE JULHO DE 2015
Expressamos neste documento os consensos alcançados pelas várias organizaç&otil...
Brasil. Cooperativa habitacional do Uruguai é tema de mostra em SP
A PARTIR DE 3 DE JUNHO, O PÚBLICO PODERÁ CONFERIR NO MUSEU DA CASA BRASILEIRA UMA EXPO...
Brasil. JORNADA NACIONAL DE LUTA PELO DIREITO Á MORADIA, POR REFORMA URBANA, PELA FUNCAO SOCIAL DA CIDADE E DA PROPRIEDADE.
...
Brasil. BOLETIM DO FÓRUM NACIONAL DE REFORMA URBANA
BOLETIM DO FÓRUM NACIONAL DE REFORMA URBANA...
Brasil. Famílias que serão removidas por causa de Belo Monte recorrem à defensoria
Mais de 500 famílias de Altamira (PA) que terão de ser deslocadas por causa da constru...
Brasil. Benedito Barbosa recebe Medalha Nacional de Acesso à Justiça, nesta quinta-feira
A cerimônia acontece no dia 18 de dezembro, às 10h, em Brasília, no Salão...
3ª Conferência das Nações Unidas sobre Moradia e Desenvolvimento Urbano Sustentável
Car@a, Nosso país, assim como as demais nações que fazem parte da ONU tem a tar...
“A Política de Moradia é Basicamente de Favorecer o Mercado Privado”: Entrevista com Lorena Zárate, da HIC
Habitat International Coalition (HIC, ou Coalizão Internacional Habitat), é uma a...
Brasil. Juizas/es que recebem auxílio moradia, vão condenar multidões pobres a ficarem sem-teto e sem-terra?
No dia 15 de setembro passado, o Ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal, concedeu “tut...

HIC-AL
Desde 2001, seguindo a proposta dos membros regionais e por decisão do conselho da Coalizão Internacional do Habitat (HIC), trabalha na Cidade do México o Escritório  de Coordenação Regional para América Latina da HIC (HIC-AL).
Ler mais




 
 



El contenido de esta página puede ser reproducido, siempre y cuando se cite la fuente y se envíe copia a HIC-AL (info@hic-al.org - Huatusco No. 39 - Col. Roma Sur - 06760 México D.F.), detallando brevemente la utilización que se le ha dado. Del mismo modo, nosotros citamos las fuentes que proporcionan gran parte de los materiales aquí incluidos. La información es de todos/as y para todos/as. Nos hacemos más fuertes si sabemos de dónde viene y adónde va."

Aviso legal / Legal disclaimer